Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

terça-feira, 30 de junho de 2015

DOMÁ DA CONCEIÇÃO

O Violeiro, cantor e compositor goiano Domá da Conceição é um dos principais representantes da cultura popular em Goiás e o seu segundo cd ganhou o título de Pé no Chão. As canções registradas no mais recente álbum são uma amostra das influências musicais que ele recebeu desde a infância nas rodas de violeiros e festas de Folia de Reis em Abadia de Goiás – GO. Desta vez o musico procurou valorizar os timbres da viola caipira e se valeu de três afinações distintas (rio abaixo, guitarra e cebolão) para registrar as 11 faixas do cd.

Pé no Chão não tem a ampla instrumentação de Anjo Alecrim, o primeiro disco, desta vez o músico assumiu sozinho o desafio de produzir e arranjar todas a faixas. Para registrar as músicas, ele contou apenas com o irmão Catupé (Vilmar de Souza) no violão (e em algumas percussões), Amin Braga com sanfona em duas faixas e os catireiros Dionísio Bombinhas e Liz Eliodoras no recortado de catira de domínio público: Onde a Rainha Mora. “O meu objetivo foi valorizar as letras e a minha interpretação e o timbre da viola caipira, que numa concepção instrumental mais complexa acaba sendo ofuscado”, explica Domá.

Parcerias – No cd Pé no Chão de Domá aparecem algumas parcerias que ele fez ao longo da vida. O repertório traz músicas mais recentes e outras que Domá revirou de sua memória para gravar. É o caso de A Doma da Fera, feita nos anos 80 com Pio Vargas, letrista já falecido. O publicitário e poeta Leo Pereira e Domá lapidram uma bela crônica musical que ganhou o nome de “Emboscada”, uma das melhores faixas do disco. Nela o interprete narra as dificuldades de perseguir o sonho de artista. O refrão diz: “Fui tapete de banheiro/ Da polícia fui pandeiro/ Já dormi “ni” galinheiro/ Das galinha eu fui puleiro..., e foi assim vencendo as emboscada da indústria cultural que Domá, um autêntico defensor da cultura popular disponibilizou mais uma página musical para nossa apreciação.

Biografia

O músico nasceu no interior do estado (Abadia de Goiás – Go) e aprendeu os primeiros toque de viola com o pai violeiro e devoto da Folia de Reis. O menino tomou gosto pela coisa e, aos 17 anos, mudou-se pra capital (Goiânia) com a esperança de seguir carreira musical. Em Goiânia, o violeiro caiu na primeira “emboscada”, pois teve um choque com a cena musical que encontrou na cidade grande. Assim, o jovem violeiro se viu obrigado a assimilar o que a indústria cultural impunha como modelo. Na tentativa de se ajustar ao gosto da vida urbana trocou a viola caipira pelo violão de 12 cordas, deixou as folias de reis e canções aprendidas com seu pai e adotou o rock, o blues e a mpb.

E foi com esta nova roupagem que Doma embrenhou pelos festivais da década de 80, “comecei a tocar violão de 12 cordas depois que vi Jimi Page (guitarrista da extinta banda inglesa Led Zeppelin) fazer o mesmo, eu tinha vergonha de falar que tocava viola caipira”, contou, Domá. As primeira participações em festivais em Goiás e outros estados já traziam traço da sua transformação. Ele “bebeu” de tudo com vontade, de Bob Dylan a Irom Maiden”. De festival em festival o artista foi sendo forjado e aos poucos sugiram as premiações em Goiás, Minas Gerais e São Paulo. Prêmios em festivais, no entanto, não significava mais garantia de sucesso imediato como antes. Os festivais começavam a dar os primeiros sinais de esgotamento. “Ai eu me frustei, o festiva perdeu a graça. Desmotivado e deprimido e voltei pra roça em Abadia”, relata Domá.

Projeto Classe - A retomada das folias e dos ritmos da infância vieram devagar. Primeiro trocou o violão de 12 cordas pela viola, mudou o visual e passou a cultivar barba comprida e ao poucos foi abraçando o universo cultural da infância. Em certa ocasião Domá conheceu a cantora e folclorista Ely Camargo, e dela ouviu o conselho que o conhecimento de que ele tinha poderia ser levado pras escolas públicas. A partir daí o músico alimentou o sonho de ser o palhaço de folia Anjo Alecrim. Matutou, matutou e com muita coragem e nenhum dinheiro criou o Projeto Classe. Domá de viola na mão e disposição de sobra foi percorrer as escolas pública ensinando sobre a Folia de Reis e apresentando as cantorias que aprendeu com o seu pai. Ao final dos encontros sempre chamava à atenção dos alunos apontando para a perda irreparável que sofrem aqueles que desprezam sua própria cultura.

Premiações - Após 20 anos de carreira Domá da Conceição chegou às telas de cinema através do documentário “Anjo Alecrim”, produzido e dirigido pela cineasta Viviane Louise, que recupera passagens importantes da vida e obra do artista. O filme foi exibido em Paris, na programação do ano do Brasil na França em 2004, ganhou prêmio de melhor trilha sonora no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA)em 2005 e prêmio de melhor direção no Festicine em 2006. O curta Anjo Alecrim, homônimo ao primeiro CD, recupera passagens importantes da vida e carreira do artista, um dos mais destacados representantes das folias de reis do Centro-Oeste. Em 2007, o Ministério da Cultura, por meio da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural reconheceu o Projeto Classe, dando o Prêmio Culturas Populares 2007 - Mestre Duda 100 Anos de Frevo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑