Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

sábado, 9 de maio de 2015

WILSON DIAS

Muitos elementos contribuem para a formação e o desenvolvimento de um artista, para forjar as características do seu trabalho e definir seu relacionamento sua cultura, bem como traçar o perfil de seu público. É o conjunto destes elementos articulados dialeticamente ao longo de toda uma carreira que garante o nome que carrega e sustenta suas conquistas em termos estéticos e de mercado. É este o caso do cantor, compositor e violeiro Wilson Dias, mineiro de Olhos D’Água, no Vale do Jequitinhonha, lugar especial, porque é ponto de partida de uma trajetória de sucesso.

Foi desse pequeno celeiro cultural que Wilson Dias herdou e trouxe para a arte as benéficas influências da vida em comunidade, da cultura e da arte popular, em suas manifestações tanto religiosas, quanto profanas. Enriquecido pelo berço onde nasceu, o artista cresceu aberto para a vida e livre para experimentar e se enriquecer ainda mais culturalmente, com todas as influências e experiências oriundas do folclore e da seresta mineira.

E mais, pode, sem perigo de contaminação negativa, ouvir de tudo – do samba ao bolero, do rock ao Jazz – e de tudo extraindo o que é a essência de um músico profissional: o amor e o gosto pela música e o conhecimento de seus princípios fundamentais, como ritmo, harmonia, melodia, sem se fechar, sem se limitar a um só estilo ou forma de realizar suas composições.

Graças a sua dedicação, ao seu empenho e ao seu profissionalismo Wilson Dias teve condições de há mais de quinze anos viver exclusivamente de seu trabalho musical. Não é por acaso que dois de seus dois filhos, Wallace Gomes (violão) e Pedro Gomes (baixo), estão seguindo a força de seu carisma e de seu exemplo, dividindo com ele os desafios e as alegrias do palco em quase todas as suas apresentações. Esteticamente, além da diversidade de ritmos da Música Popular Brasileira, o artista vem direcionando sua carreira para o encontro entre a tradição e o urbano com um viés especial para a cultura popular brasileira.

Sensível e atento às coisas da terra e da vida, Wilson Dias conta que “certa vez, quando eu ainda era criança, fiquei observando um pequeno bicho que carregava uma carga imensa em suas costas. Eu quis tocá-lo, mas meu pai me interrompeu dizendo para ter muito cuidado, pois se tratava do “bichinho da fartura”, anunciando tempo bom e colheita abundante para aquele ano. Pois bem, se eu pudesse soprar no ouvido de cada filho dessa pátria, eu diria que a cultura popular é exatamente esse bichinho.

Ela é a locomotiva que conduz o trem da vida. Está presente em tudo. Canto, dança, crença, fala, livros, cores, soluções para os problemas. É passado e presente apontando o futuro. Propõe que nos encontremos e nos reconheçamos uns nos outros, afirmando a nossa história de gesto e rastro. Através dela, cantamos e contamos nossa aldeia na esperança de, ao menos, tangenciar essa misteriosa construção chamada ser humano. Viva o povo brasileiro!”

Este é Wilson Dias, cantor, compositor e violeiro que canta com alegria e compromisso a terra, a arte e, a cultura e alma de sua gente. E seu canto é legítimo e forte porque tem suas raízes fincada no mesmo chão onde vive e canta o seu povo.

Wilson Dias desenvolveu trabalhos em parceria com Pereira da Viola e João Evangelista Rodrigues, resultando já em dois importantes projetos. O projeto “Bate Pilão”, a celebração da cultura popular, dos ritmos e danças próprios da cultura popular e o CD “Pote”, lançado em outubro de 2010 no Teatro Nansen Araújo - Sesiminas.

Participa também do projeto Vivaviola, que reúne seis nomes da autêntica viola caipira de dez cordas em Minas – Pereira da Viola, Chico Lobo, Bilora, Joaci Ornelas e Gustavo Guimarães - lançado com sucesso em outubro de 2008 no Teatro Alterosa - Belo Horizonte, resultando no CD homônimo lançado no Grande Teatro do Palácio das Artes em agosto de 2009, e Turnê pelas cidades de São João Del Rei, Diamantina, Paraty, Ouro Preto e Congonhas, patrocinado pela Natura Musica, com grande aceitação do público e da mídia.

Toda a força deste talento mineiro, toda a riqueza de sua arte musical estão bem representados nos seus discos, gravados ao longo de quinze anos de trabalho e de muita estrada. Neles estão presentes sua visão de mundo, seu respeito à natureza, seus valores éticos e seu compromisso sócio-culturais, dos quais Wilson Dias, sempre coerente com o que pensa e canta, não abre mão.

1 - “Pequenas Histórias” (1997);
2 - “Outras Estórias” (2002) –
3 - “Picuá” (2007 - selecionado ao Prêmio Tim de Música Brasileira);
4 – CD Coletivo – “VivaViola – 60 cordas em movimento” (2009);
5 - “Pote – A melodia do chão” – (2010);
6 – “Mucuta” – (2011) instrumental – Lançamento em novembro de 2011 no Teatro Alterosa.

O Cd “Outras Estórias” foi patrocinado pela Egesa Engenharia, através da Lei Rouanet, assim como o projeto “Outras Estórias na Estrada”, que viabilizou uma turnê de lançamento do disco em onze cidades mineiras: Montes Claros, Carbonita, Bocaiúva, Ipatinga, Ouro Preto, Tiradentes, Diamantina, Governador Valadares, Juiz de Fora, Uberlândia e Belo Horizonte, com ampla repercussão perante o público e a imprensa.

O CD - “Picuá” - patrocinado pela Cemig Cultural, através da Lei Rouanet, Wilson Dias finaliza uma trilogia que trabalha o universo rosiano, o sertão, com a musicalidade matuta do povo do Vale do Jequitinhonha, causos das Minas várias, dentro do universo brasileiro. São batucões, folias, tira-versos, lundus, calangos, vindos da rica cultura popular da região, fonte constante de pesquisas realizadas pelo cantor. Desse modo, o artista encerra vivências em deslumbrante viagem de volta às terras de sua infância, que mostra o que de mais tradicional se toca e se canta às margens do Rio Jequitinhonha.

O cd “Pote – a melodia do chão” – um CD independente e inédito, criado em parceria pelos violeiros e cantadores, Pereira da Viola e Wilson Dias, e o poeta e jornalista João Evangelista Rodrigues. Três mineiros de águas fortes e confluentes, vindos, respectivamente, do Vales do Mucuri, do Jequitinhonha e do São Francisco. Três vertentes com raízes comuns no que diz respeito à cultura popular, ao sentimento de religiosidade e às convicções políticas, fundados na amizade e na defesa da cidadania.

Em seu mais novo “Mucuta” – instrumental - As delicadezas presentes nesse disco não as são por acaso; são buscadas, testadas e, quando o mestre violeiro as encontra, elas encantam como o cheiro da terra molhada. É urgente que se guarde essas delicadezas. Mucuta é o depositório no qual Wilson Dias está guardando e, ao mesmo tempo, compartilhando conosco suas memórias do cerrado. É claro que a terra em que viveu está presente em sua música, não poderia ser diferente já que a música que faz é fruto de seu contato com essa terra, essas flores, esses pequis.

Talvez a coisa mais impressionante nesse novo trabalho de Dias seja a unidade que ele consegue em suas músicas e a forma como a violinha canta suas lembranças. Músicas que aprendeu com seus velhos mestres e que ecoaram em sua memória durante anos, até serem paridas na forma que aqui se encontram. Esse nascimento não pode ser apenas fruto de uma intuição descompromissada; ele pertence a outro nível de elaboração, deveras sofisticado simplesmente porque genuíno. Essa é a grande contribuição que esses homens rurais podem dar à nossa música: deixar que ela fale por si mesma e que, assim falando, nos ensine qual a melhor forma de cuidá-la, de cultivá-la, e por fim, de guardá-la no único lugar possível, nosso coração.

Um dos 12 violeiros escolhidos como destaques para representar os mais de 400 violeiros e violeiras do Festival Voa Viola e selecionado para se apresentar na cidade de Recife, Teatro de Santa Izabel. Ainda no Festival, premiado na categoria “Canção” entre as cinco modalidades que assinalaram a diversidade das expressões ligadas à viola no Brasil.

Em Janeiro de 2011, recebeu o Prêmio Rozini de Excelência da Viola.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑