Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

domingo, 5 de abril de 2015

ZEBETO CORRÊA

Nasci em dezembro de 1960 numa cidade do interior de Minas mas vim para Belo Horizonte aos dois anos de idade. O filho mais novo de uma turma de 6 irmãos. Meu pai, o Zé Ribeiro, e minha mãe, dona Babita, me passaram desde cedo, além de seus valores morais e culturais, a grande paixão pela música. O pai ao violão,  a mãe cantando e todos os irmãos fazendo segundas e terceiras vozes. Eram assim nossas noites musicais: Muita música brasileira –  naquela época, estavam rolando os chamados “grandes festivais da MPB” – mas escutávamos também muita Jovem Guarda, Beatles e bossa nova. Desse caldeirão musical nasceu a música que vim a produzir mais tarde, com influências tanto da música regional quanto do pop/rock.

Comecei a compor na adolescência… Primeiras paixões, primeiras canções. Nunca mais parei! Conheci uma turma boa e fizemos uma banda em 1981: O “Fogo no Circo”. Nosso primeiro LP foi feito praticamente “à mão” e lançado em 1982 com relativo sucesso em BH e no Rio de Janeiro. Acabei achando que meu caminho não era esse e parti pra carreira solo em 1986 com meu LP “Muito Prazer”(1986). No ano de 1988, passei a dividir minha vida musical com a vida de bancário num emprego no Banco do Brasil, onde trabalhei por 11 anos. Mesmo com a carreira dividida, fui levando a vida de “cantautor” e lancei o LP “Cine Metrópole”(1992).  No ano seguinte, me tornei parceiro do cantor e compositor Bartholomeu Mendonça. Percorremos mais de uma centena de festivais de música juntos pelo país e gravamos 3 CDs: “Além da curva do rio”(1994), “Princípios”(1998) e “Alma Brasileira”(1999).  Também rolaram grandes shows nessa época, em espaços como o Sesc Pompéia, o Memorial da América Latina e o Tom Brasil.

Em 1999 saí do emprego no banco e decidi me dedicar integralmente à música com a cara e a coragem. Ao meu lado, sempre em todos os momentos, estava o meu filho querido Daniel, que nasceu em 1993 e até hoje é meu maior companheiro e incentivador. Guardei meu “diploma de doutor” do curso de Direito da UFMG na gaveta e fui pro mundo. Senti novamente a vontade de voar sozinho nos caminhos musicais e descobri também que as parcerias seriam uma forma de diversificar e dar novos ares às minhas canções.  Lancei em 2002 o CD solo “Outro lado da noite” e comecei a compor junto ao poeta Caio Junqueira Maciel. Nossa parceria rendeu três álbuns: o Livro-CD infantil “Era uma Voz – Sonetos só para Netos”(2005) e os CDs “Trilhas da literatura brasileira”(2006) e “Recados de Minas”(2009).

Ao longo da minha estrada, surgiram novos parceiros e novas músicas: junto do poeta Paulinho Andrade, por exemplo, compus mais de uma centena de canções. Concomitantemente, produzi por 5 anos o programa “Sotaque Brasileiro” em rádios de Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Com apoio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, resolvi lançar um álbum que levava o nome do programa. “Sotaque Brasileiro”(2012), que comemorou meus 25 anos pelos festivais do Brasil, conta com composições feitas com 7 parceiros diferentes: Cláudio Chaves, Caio, Paulinho, Manoel Gandra, Vânia Morais, Barthô e Jorge Ferreira. Junto deste último, compus cerca de 40 canções, o que resultou no CD “Balé das almas” (2012). Os dois foram lançados ao mesmo tempo no final de 2012 com shows em Brasília e Minas.

No começo de 2013, o Caio me faz um convite irrecusável: musicar o livro “Poemas para cantar e dançar”, do Coletivo 21, grupo de escritores mineiros. Mais 11 parceiros e 22 novas canções! O lançamento, na Semana da Criança de 2014, marca a minha volta ao universo da música infantil, por onde eu e Caio já havíamos passado com o Livro-CD “Era uma Voz”(2005). No mesmo ano, fui também convidado a representar o Brasil no festival Cantandina, que ocorreu em Medellin, na Colômbia.

E assim, amigos, vou levando em frente a minha sina de fazedor de canções, ou como dizem lá na Colômbia, “cantautor”. Já estou no meu 13° disco. São também mais de 300 premiações em festivais de música, tendo alcançado o 1° lugar cerca de uma centena de vezes.

Não me arrependo de nada! Conheci incontáveis pessoas, músicas e lugares incríveis. Acho que meu caminho estava traçado desde quando eu tinha 7 anos de idade e cantava nos programas da TV Itacolomi. A música é minha casa, onde minha alma descansa. Viva a música brasileira!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑