Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

sábado, 10 de setembro de 2016

VITAL LIMA

Graduou-se em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1983. Estudou com Jodacyl Damasceno (violão clássico e técnica violonística). Já aos 16 anos começou a ter ativa participação no movimento cultural de Belém atuando como ator e como compositor de trilhas sonoras para peças teatrais. Iniciou sua carreira artística em 1974, ainda estudante de Direito na Universidade Federal do Pará, classificando-se em 2º lugar no I Festival de Música e Poesia Universitária, com sua música "Por tua causa nº 2", interpretada por Fafá de Belém, que iniciava a carreira. No ano seguinte, a cantora Marlene gravou de sua autoria a música "Rock'and'roll". Nessa época, transferiu residência para o Rio de Janeiro. Em 1978 lançou seu primeiro disco, "Pastores da noite", registrando canções de sua parceria com Hermínio Bello de Carvalho. A música título tornou-se tema da novela "Memórias de amor", da TV Globo.
Participou, com Marluí Miranda e Osvaldo Montenegro, do primeiro ano da série "Seis e meia" (Teatro João Caetano/RJ). Em seguida, percorreu diversas cidades brasileiras com o "Projeto Pixinguinha", ao lado de Carmélia Alves e Antonio Adolfo, Belchior e Marília Barbosa, Fafá de Belém e Walter Queiroz. Apresentou-se ainda na sala Funarte no Rio de Janeiro com o Grupo Terra Trio no show "Bandidos e bandidos". Em 1980 gravou seu segundo disco, o LP "Cheganças", que contou com a participação especial do conterrâneo Nilson Chaves no lançamento do disco em Brasília. No mesmo ano obteve classificação no Festival MPB-80 da TV Globo. Em seguida, desenvolveu, com o conterrâneo, uma parceria musical com temática amazônica, registrada em 1984 no LP "Interior", com destaque para "Flor do destino" e "Tempodestino". Em 1990 lançou o LP "Vital". Ainda na década de 1990, lançou os CDs "Waldemar" (1994), em homenagem ao maestro Waldemar Henrique, com Nilson Chaves, e "Chão do caminho" (1998), uma coletânea de seus sucessos. Constam da relação dos intérpretes de suas músicas artistas como Marlene, Wanderléa, Simone, Ademilde Fonseca, Elizeth Cardoso, Fafá de Belém, Emílio Santiago, Nilson Chaves, Lucinha Araújo, Lula Carvalho, Zé Renato, Zeca do Trombone, Grupo Quintais, Alaíde Costa, Magno, Delço Tainará, Marco André, Walter Bandeira, Amadeu Cavalcante, Marisa Gata Mansa e Alaíde Costa, entre outros. Em 2005, lançou o álbum "Das coisas simples da vida". Em 2015, após dez anos sem gravar, lançou o CD “O que não tem fim”, com 15 composições próprias. O disco foi produzido pelo próprio Vital, que também tocou violão eletroacústico nas gravações.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑