Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

DÉA TRANCOSO

Déa Trancoso, nascida em Almenara, Minas Gerais, é uma cantora, compositora e produtora cultural brasileira. Filha de pais seresteiros, foi influenciada pelos violeiros, cantadores, congadeiros e foliões do Vale do Jequitinhonha, sua terra natal.

Formou-se em jornalismo pela PUC Minas. Estudou também técnica vocal, sem abrir mão da sensibilidade e da emoção em seu canto. Seu trabalho incorpora sonoridades e referências a diversas manifestações da cultura popular nacional, como catimbó, coco, acalanto, lundu, congo dobrado, maracatu, batucão, moda de viola, samba de caboclo e de roda.

    “Sempre que escuto Déa Trancoso me lembro de Guimarães Rosa. Ela tem patente para cantar o sertão.” João Paulo Cunha, editor do Caderno de Cultura do Jornal Estado de Minas.

Depois de vários festivais e shows, participou em 2002 do CD O Violeiro e a Cantora, a convite do compositor e violeiro Chico Lobo.

Seu primeiro CD, TUM TUM TUM, lançado pelo selo TUM TUM TUM Discos em 2006. e posteriormente pelo Biscoito Fino em 2010, foi desenvolvido com recursos do Fundo Municipal de Cultura de Belo Horizonte e do Programa BNB de Cultura.

Serendipity, de 2011, seu primeiro trabalho autoral, trazendo parcerias com Badi Assad, Chico César e Rogério Delayon, teve o show de lançamento em Pontevedra, Espanha, durante a Feira das Indústrias Culturais da Galícia. Três canções desse álbum foram gravadas por outros artistas. Ná Ozzetti e Mônica Salmaso gravaram Minha Voz, Gonzaga Leal gravou Água Serenada e Isabel Nogueira gravou Gismontiana.

    "Fiquei muito encantada com Serendipity, o disco dela, que traz canções de muita singularidade. Déa tem esta característica: suas composições são muito pessoais. Ela é uma mestra da composição.” Ná Ozzetti, que gravou em seu CD Embalar a música de Déa Minha Voz'.'

O álbum Flor do Jequi, de 2012, foi realizado através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, e conta como convidado com o violonista Paulo Bellinatti. Juntos, eles criam e recriam ícones do Vale do Jequitinhonha, região conhecida pelo contraste entre a pobreza material e a riqueza da cultura popular.

    “Uma aula de Brasil profundo. Que coisa é a Déa Trancoso como compositora. A canção Estreleira é uma obra-prima.” Maria Luiza Kfouri, jornalista, sobre o trabalho Flor do Jequi.

Déa é afiliada à UBC (União Brasileira dos Compositores) e ao Projeto Elas de Minas. Foi indicada duas vezes ao Prêmio da Música Brasileira: na primeira, em 2007, em quatro categorias (Disco Regional, Cantora Regional, Projeto Gráfico e Voto Popular), concorrendo com Maria Bethânia, Chico Buarque, Alceu Valença e Daniela Mercury, e em 2013 (na categoria Cantora Regional), concorrendo com Elba Ramalho e Simone Guimarães.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑