Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

domingo, 27 de abril de 2014

CACAI NUNES

Violeiro. Compositor. Descendente de família pernambucana, ainda criança radicou-se em Brasília. Começou a estudar música em 2001, quando ingressou na Escola de Música de Brasília. Em 2003, começou a estudar com o violeiro Roberto Corrêa, com quem, depois, passou a trabalhar. Em seu trabalho de violeiro, faz uma fusão moderna de ritmos, como o choro, samba, baião e tango, entre outros.

Costuma apresentar-se em shows solo, ou, também, acompanhado de trio ou de quarteto. Em 2006, lançou no Teatro dos Bancários, em Brasília, o CD "Avesso", seu primeiro disco, no qual interpretou obras de sua autoria, como: "Baião poético inicial"; "Depois da sanfona"; "Um Brasil de viola"; "O avesso"; "Invergada" e "Suíte altos e baixo", além de composições clássicas, como "Magoado", de Dilermando Reis; "Corta jaca", de Chiquinha Gonzaga; "Vou vivendo", de Pixinguinha, e "Saravá seu Oxóssi", de domínio público. No show de lançamento, que contou com a participação especial de Roberto Corrêa, o violeiro foi acompanhado por Moisés Santos no trombone, Wavá El Afiouni no baixo, Leander Motta na bateria, e George Lacerda na percussão. Em 2007, participou, juntamente com os violeiros Paulo Freire, Roberto Corrêa , e os mestres Seu Manoel de Oliveira e Toninho da Viola, do show "Viola Instrumental: Ponteados Ancestrais e Contemporâneos", realizado no espaço Caixa Cultural,  em Brasília. Nesse espetáculo, tocou sozinho as composições de sua autoria "Depois da sanfona" e "Forrozal"; com a violeira Andréia Carneiro, interpretou o clássico baião "Qui nem jiló", de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira e, com todos os integrantes do grupo, a toada "Luar do sertão", de Catulo da Paixão Cearense, e "Arara comeu pequi", de domínio público. Em 2008, representou a música instrumental de Brasília na Semana da Música Brasileira, promovida pela Embaixada do Brasil em Washington-DC/EUA. Em outubro do mesmo ano, esteve no XIX Festival Internacional de Música de Pulso y Púa, em La Coruña/Espanha e, no II Festival Ibero Americano de Violões, também em Washington-DC/EUA. Em 2009, realizou uma série de shows. Com os músicos Pablo Fagundes, Vavá Afiouni e George Lacerda, fez temporada no Restaurante Fulô do Sertão, na Asa Norte, em Brasília/DF;  com o Cacai Nunes Quarteto, apresentou-se no XIX Festival de Inverno de Garanhuns, PE. Fez show solo de abertura do espetáculo do pianista Arthur Moreira Lima nas cidades de Taguatinga-DF, e Valparaíso/GO. Ainda com seu quarteto, apresentou-se no Projeto Dorival para sempre Caymmi, no Clube do Choro de Brasília.



Um comentário:

Topo da Página ↑