Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

sábado, 5 de outubro de 2013

ANTONIO VIEIRA

Mestre Vieira só ganhou notoriedade fora do Maranhão quando teve uma deliciosa canção gravada pela conterrânea Rita Ribeiro em seu álbum de estreia, de 1997. A graça, a sensualidade e o magnetismo de Cocada a fizeram um clássico de seu repertório. Outras faixas seguiam na mesma linha, Tem Quem Queira e Banho Cheiroso, esta incluída por Rita em seu segundo CD, “Pérolas aos Povos”.

E pérolas nunca faltaram no cancioneiro de Vieira, um sambista que teve discos lançados de forma independente. Rita e o também maranhense Zeca Baleiro foram os grandes responsáveis por promover a música de mestre Vieira, também conhecido como o Cartola do Maranhão. Zeca produziu o álbum O Samba É Bom, gravado ao vivo num teatro de São Luís, com honras de gala, quando Vieira fez 80 anos, em 2001. Sivuca, Elza Soares entraram como convidados, além de Rita e Zeca.

Em 2004, Vieira participou de um projeto de samba no Sesc Vila Mariana, dividindo o palco com outro veterano, o baiano Riachão. Na ocasião, o Estado reuniu os dois para um bate-papo sobre música, sobre sua trajetória e outros assuntos. Sempre sereno, Vieira fez comentários do tipo: "O pobre quer ser rico, o rico quer ser nobre, o nobre quer ser artista, o artista quer ser Deus. Depois de Deus, só pode ser artista."

Criado por uma família tradicional, Vieira mostrou-se na entrevista um homem reservado, comedido, o oposto do fogueteiro Riachão. Sua formação musical começou com Chopin, depois vieram os grandes cantores brasileiros. Sereno, mas provocador, Vieira fez críticas que os polianas da MPB atual não ousariam: "Na minha época não tínhamos esse aparato tecnológico de hoje. Mas, pelo menos na minha terra, noto que os antigos tinham mais talento que os novos", desafiou.

"Uma vez ouvi Djavan cantando Correnteza e minha sobrinha me disse que a música era dele. Não podia ser, ele não tem qualidade musical para fazer uma coisa dessas. Fui pesquisar e descobri que era de Tom Jobim e Luiz Bonfá." E recomendou que os jovens cantores pegassem a discoteca antiga e fossem analisar Donga, Pixinguinha, Noel Rosa, Assis Valente, Dorival Caymmi, Ary Barroso, Vadico. "Aí iriam ver que estão longe dessa gente." Mestre Vieira sabia o que era bom e dava aulas de cultura maranhense. Deixou mais de 300 canções. Seu legado merece ser amplamente explorado.

FONTE:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑