Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

sábado, 14 de setembro de 2013

PASSOCA

Violeiro. Cantor. Compositor. Nasceu em Santos, mudando-se depois para Ribeirão Preto, onde fixou residência. Formou-se em Arquitetura.

Quando estudante, sofreu influências da música de João Gilberto e Chico Buarque. Nos anos 1970 tocou no grupo Flying Banana. Tocou bateria e violão, trocando esses instrumentos pela viola no final dos anos 1970, influenciado por Renato Teixeira e Almir Sater. Fez aberturas de shows de Ednardo e do grupo Bendegó.

Em 1978 lançou o primeiro disco, um compacto simples com as músicas "Cão vadio" e "Sombras". Em 1980 lançou seu primeiro LP, "Que nada", no qual gravou entre outras, "Bicho de pé", parceria com Renato Teixeira, "Viola braguesa" e "Era na era", de sua autoria e "Guacyra", clássico de Hekel Tavares e Joracy Camargo. Em 1982, compôs e gravou "Sonora garoa", uma de suas principais composições.

Ao longo da carreira, já lançou seis discos. Em 1995, lançou o CD "Sabiacidade", no qual interpretou "O trenzinho caipira", de Villa-Lobos e Ferreira Gullar e a inédita "Moda de Botucatu", de Angelino de Oliveira e Chico de Paula. Em 1997, lançou pela Devil Discos o CD "Breve história da música caipira", onde interpreta diversos clássicos da música sertaneja, com obras de João Pacífico, Raul Torres, Alvarenga e Ranchinho, Tião Carreiro e Renato Teixeira e Angelino de Oliveira. No mesmo ano, participou no Rio de Janeiro da série "Violão brasileiro", no Museu do Telephone.

Em 1998, participou do projeto "Violeiros do Brasil", em shows realizados em diversas cidades do país, pelo Sesc-Núcleo Contemporâneo, que resultou no CD Homônimo, gravado ao vivo durante o show. Em 1999, gravou um disco independente com músicas inéditas de Adoniran Barbosa incluindo "Ditado", que ele musicou a partir da letra deixada pelo compositor paulista. No mesmo ano, apresentou-se novamente no Rio de Janeiro, no Museu da República.

Participou, em 2004, do CD "Violeiros do Brasil, com a faixa "Tristeza do Jeca", de Angelino de Oliveira. O disco foi gravado ao vivo no Teatro do Sesc Pompéia entre agosto e setembro de 1997 e lançado em junho de 1998, pelo SESC-Núcleo Contemporâneo. Em outubro de 2004, o CD foi relançado pelo Selo Revivendo. A edição apresenta importantes artistas da viola caipira das várias regiões do Brasil, entre os quais, Almir Sater, Zé Gomes, Renato Andrade, Roberto Corrêa, Paulo Freire, Ivan Vilela, Pereira da Viola, Josias Dos Santos, Angelino de Oliveira, Renato Andrade, Tavinho Moura, Heitor Villa-lobos, Zé Mulato e Cassiano e Zé Coco do Riachão. O projeto foi idealizado pela produtora Myriam Taubkin e a gravação do disco foi sugerida pelo músico e produtor Benjamim Taubkin. Em 2005, comemorou 30 anos de carreira com o lançamento de uma caixa de três CDs de seu selo em associação com a gravadora Atração. Dois dos Cds, "Breve história da música caipira" e "Passoca canta inéditos de Adoniran Barbosa" são reedições. O novo é "Passoca canta João Pacífico, que reúne clássicos do consagrado compositor da música caipira, como "Cabocla Teresa", "Pingo d'água", "Chico Mulato", "Mourão da porteira" (parcerias com Raul Torres) e, ainda,"Minha rua vai se chamar saudade", "No fim da estrada" e a parceria de Pacífico com o próprio Passoca, "Rio Tietê". Em 2012, em homenagem ao 458o aniversário da cidade de São Paulo, lançou o CD "Suíte paulistana". O álbum foi indicado no ano seguinte ao 24o Prêmio da Música Brasileira, na categoria Música Regional/Melhor Álbum.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑