Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

sábado, 3 de agosto de 2013

TULIPA RUIZ

Tulipa Ruiz é uma cantora, compositora e ilustradora brasileira. Nascida em São Paulo, mudou-se com a mãe Graziella e o irmão, Gustavo Ruiz, para uma cidade pequena em Minas Gerais, São Lourenço. A cantora cresceu entre brincadeiras no mato, cachoeiras e rodas de violão à beira da fogueira. Na adolescência, com a influência do ambiente musical da família, trabalhou numa loja de discos da cidade. Saiu de Minas Gerais aos 22 anos para cursar Comunicação e multimeios na PUC-SP

Depois que voltou para a capital paulista, trabalhou quase dez anos como jornalista. Nos últimos anos, passou a abraçar os desenhos – outra paixão de criança – e, ao criar seu Myspace, resolveu defender sua vocação para música e colocou algumas canções na página. Foi o suficiente para abraçar a ideia, começar a fazer shows. Participou de shows de nomes como DonaZica, Trash Pour 4, Júnior Barreto, Ortinho, Projeto Cru, Na Roda, Tiê, Nhocuné Soul e Cérebro Eletrônico. Fez desenhos para livros infantis, agendas, capas de discos e cartazes de shows. Interessa-se por gravações em campo, texturas, ruídos, bordados e cantigas de ninar.

Carreira

Quando estudava na PUC, em São Paulo, Tulipa participou de várias bandas e projetos, até que em um show do Pochete Set (banda formada por Tulipa, Luiz Chagas e Gustavo Ruiz),o jornalista Ronaldo Evangelista gostou do que viu e convidou Tulipa para fazer uma apresentação solo. Então vieram as canções que o irmão registrou em seu estúdio caseiro e ela publicou no Myspace.

Em dezembro de 2008 decidiu sair da Agência de Comunicação em que trabalhava para ficar três meses compondo com o irmão e ilustrando. Então foi convidada para o Festival da Trama, no Teatro Oficina. Fez seu primeiro show solo para valer em 2009 no Teatro Oficina, depois, Prata da Casa no SESC Pompéia, colecionando elogios da crítica, inclusive do conceituado produtor musical Nelson Motta, aumentando exponencialmente o público e gravou seu primeiro disco: Efêmera. E, mesmo diante de tamanha expectativa, não decepcionou.

Efêmera saiu no final de maio de 2010 e rapidamente conquistou a crítica e público. Com canções sutis e poeticamente diretas, cheias de arranjos simples e melodias doces e circulares embaladas pela voz única de Tulipa.

Tulipa ganhou rapidamente espaço no cenário musical brasileiro. Fez uma temporada com Marcelo Jeneci e já cantou com grandes cantoras como Zélia Duncan. Tem em seu primeiro álbum participações de Tiê, Anelis Assumpção, Donatinho, Kassin, Thalma de Freitas, Juliana Kehl,Céu e Mariana Aydar.

Construiu o que chama de “pop florestal” - metade paulista, metade mineiro, com composições próprias, do pai e do irmão, o guitarrista Gustavo Ruiz.

Sua música Efêmera faz parte da trilha sonora do jogo FIFA 11 da EA SPORTS.

Influências

Tulipa contou que foi um concerto da cantora norte-americana Meredith Monk que mudou sua vida:

“Fiquei absolutamente embasbacada quando assisti ao concerto Impermanência, da criadora de óperas contemporâneas Meredith Monk. Como se quarenta mil fichas sobre espiritualidade, canto, respiração e amadurecimento tivessem caído ali na minha frente. Chorei de atrapalhar o colega do banco ao lado. Foi um rito de passagem para mim. O jeito que Meredith explora a voz, rompendo a barreira entre canto e palavra, me comoveu e fortaleceu. Aprendi que o palco é um lugar sagrado, de poder e experimentação. Foi lindo entender isso.”

Tulipa conta que aprendeu a cantar ouvindo cantoras/compositoras como Joni Mitchell, Gal Costa, Ná Ozzetti, Zezé Motta, Baby Consuelo e Joyce.
Discografia

Efêmera(YB Music/2010)
Tudo Tanto (Natura Musical/2012)11

Vida pessoal

Nascida em Santos, morou até os três anos de idade em São Paulo. Após a separação dos pais mudou-se para São Lourenço, MG. Seu pai, Luiz Chagas é jornalista e músico do Isca de Polícia, banda que acompanhava Itamar Assumpção. Tulipa contou em entrevista a Revista da Gol (edição de junho de 2010) que recebeu esse nome por causa do filme “A Tulipa Negra”.

Desenho

Tulipa desenvolve um belo trabalho com desenhos, tendo feito o design da capa de seu primeiro álbum. No “Ateliê da Tulipa” expõe vários de seus trabalhos.

No encarte do CD, há tulipas desenhadas por amigos e familiares, entre eles Rômulo Fróes, Karina Buhr e Ná Ozzetti.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑