Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

sábado, 10 de agosto de 2013

ELINO JULIÃO

Elino Julião (Timbaúba dos Batistas, 13 de novembro de 1936 — 20 de maio de 2006) foi um cantor de forró conhecido pela forte ligação à cultura regional do quente sertão do Seridó, no Rio Grande do Norte.

Filho de Sebastião Pequeno, tocador de cavaquinho e Concertina. Foi menino butador d'água junto ao seu estimadíssimo jumentinho "Moleque", no sítio Tôco, onde cantarolava batendo numa lata as modinhas que aprendia na festa de Sant`Ana em Caicó - RN. Na casa grande da fazenda, onde se reuniam os moradores da redondeza, Elino Julião fazia a alegria da rapazeada. Costumava sair da fazenda descalço e a pé, rompendo 18 km de caatinga para bater a famosa “peladinha " em frente à Igreja de Sant`Ana na cidade de Caicó e articular-se, claro, para cantar na sede do Caicó Esporte Clube, no domingo à tarde. Cantar para Elino, já era êxtase.

Nos anos 1950, destemidamente o garoto de 14 anos "pegou morcego" no caminhão de Artur Dias e veio para Natal, se escondeu no bairro das Quintas e logo garantiu seu espaço para cantar no Programa Domingo Alegre da Rádio Poti, junto ao radialista Genar Wanderley e no animado Forró da Coréia, onde hoje é o Estádio de futebol Machadão, forró esse que o inspirou a compor um dos seus grandes sucessos: "O forro da Coréia".

Menino esperto que trouxe no sangue as raízes do autêntico "forró pé de serra" do sertão nordestino, registrou e divulgou com originalidade e alegria a cultura e as tradições dos folguedos populares nordestinos por mais de 4 décadas.

Em mais de 30 anos de carreira, gravou mais de 30 discos, entre os quais o LP "Enganador". Teve composições gravadas por importantes nomes da música brasileira. Jackson do Pandeiro gravou o forró "Xodó do motorista", o arrasta-pé "Puxando fogo", pelo Trio Elétrico de Dodô e Osmar e "Meu saudoso Ceará", por Luiz Gonzaga. Foi gravado também por Dominguinhos e por Jorge de Altinho. Teve composições gravadas na Bélgica, Portugal e Zâmbia. É considerado a mais forte referência da música regional do Rio Grande do Norte. Em 1999, por ocasião das comemorações dos 400 anos da cidade de Natal, teve as composições "Xodó do motorista", feita em parceria com Dilson Dória, "Puxando fogo", com J. Machado, e "Rabo do jumento", com Dilson Dória, gravadas no CD "Nação Potiguar". Entre seus grandes sucessos estão "O relabucho", "A festa do Senhor São João", "Puxando fogo", "Na sombra de Juazeiro", "Filho de gaiamum", "Cajueiro de Pirangi", "Maria home", "O rabo do jumento" e "Forró da Coréia".


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑