Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

CARLINHOS PIAUÍ

A voz, o carisma e a sensibilidade poética tornaram Carlos Augusto da Silva mais do que um artista completo, fizeram dele alguém respeitado e admirado.  Carlinhos Piauí era nordestino, nasceu em Teresina, no estado do Piauí, em 1963, mas escolheu o Gama para fincar as raízes. Ele chegou à cidade aos 11 anos e aqui conquistou fãs, fez amigos, constituiu família e trilhou a trajetória. Até mesmo o nome artístico adotado por Carlinhos é resultado da infância vivida na cidade: as crianças o apelidaram de Carlinhos Piauí e esse nome ele carregou durante toda a vida.

Além de ser cantor e compositor, Carlinhos Piauí também se destacou como ativista cultural na cidade. Desenvolveu algum tempo a função de produtor cultural na Associação de Assistência aos Trabalhadores em Educação do Distrito federal (ASEF) e por dois anos esteve à frente da Diretoria Social da Administração Regional do Gama. Cargo que ocupava quando descobriu o câncer nos rins, em dezembro de 2012. Dois meses depois, em fevereiro, Carlinhos foi hospitalizado e morreu no dia 4 de março, a doença havia se espalhado por todo o corpo, em uma fase chamada metástase.


A música encontrou Carlinhos em 1976, quando ele estava com 13 anos.  No início, os encontros com o violão aconteciam às escondidas. Isso por que o instrumento pertencia ao irmão. Por ser canhoto, precisava tocar ao contrário, o que não foi nenhum empecilho, logo ele adquiriu domínio sob as cordas.

FMPG

Foi no final dos anos 70, que Piauí participou do primeiro festival o 1º Festival de Música Popular do Gama, realizado em 1979. Na edição seguinte do FMPG, ganhou o prêmio junto ao grupo Sertão. A participação em festivais continuou e o nome do músico e compositor se solidificou no cenário cultural do Distrito Federal e de estados da região Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste. Para o poeta e compositor Paulo Avelino, 50, amigo de Piauí desde 1995, o sucesso se deve ao trabalho original desenvolvido pelo artista. Carlinhos Piauí carregava na essência a cultura popular e nordestina. “Quando eu conheci o Carlinhos, já era um nome forte na música de Brasília. Ele representava o nordeste muito bem”.
Carlinhos Piauí com 28 anos no Chá de Berço do filho Mateus Braga - arquivo pessoal

Avelino, chamado simplesmente de Poeta por Piauí, conta que o cantor levava para os palcos artistas como Luiz Gonzaga, Alceu Valença e Ivanildo Vila Nova e também incluía no repertório compositores da região desconhecidos. “Imagina, ele tocava Jackson do Pandeiro, e tocava Paulo Avelino, Luthemberg Peixoto. Então é interessante isso, você pega um cara que vai lá nas raízes e que também tocava música nossa”. A música “Baião Sonhado”, que está no primeiro CD intitulado “Conterrâneos” (1999), é uma parceria entre Piauí, Avelino, Zé Miguel e o poeta Pezão. “A música que Carlinhos gravou abriu muitas portas para mim. Eu era conhecido mais como poeta. Já como compositor, me tornei conhecido depois que ele gravou essa canção”.

Difundir e valorizar o trabalho dos artistas populares se tornou uma marca registrada de Piauí. “Ele sempre foi muito fiel ao estilo, às raízes. É nordestino, desenvolvia um trabalho alternativo e não flexionava esse gênero de forma alguma. Era aquilo ali e era aquilo mesmo”, observa o cantor e compositor Jairo Mendonça, 42. Mendonça chegou ao Gama na década de 90 e conheceu Piauí no movimento cultural da cidade. “Ele foi um artista extremamente original. Era um bom compositor e um excelente interprete. Tinha uma voz forte e muito marcante”, ele acrescenta que Carlinhos Piauí é uma das referências musicais que tem. “Ele é referência não só para mim, mas para muitos outros músicos mais jovens, que seguiram nessa trilha”.

FAMÍLIA

Se nas ruas Carlinhos Piauí inspirava e motivava os amigos e o público, no ambiente Única menina dos quatro filhos Rebeca Braga - arquivo pessoalfamiliar não era diferente. Por influência do pai, a filha mais nova Rebeca Braga, 19, aprendeu a tocar violão. A “Passarinha”, apelido pelo qual Piauí carinhosamente chamava a filha, conta que ela e os irmãos sempre acompanharam a vida artística do pai. “Ele é meu ídolo! Ele sempre levava a gente nos shows que fazia, cresci o ouvindo cantar”. Mateus Braga, 21, lembra que o pai sempre costumava tocar e cantar em casa. “Quase todos os dias, a gente chegava em casa e ele ficava cantando para a gente”. Assim como Rebeca, Mateus e Tiago Ramos,30, também carregam nas veias o dom artístico. Mateus é dançarino de break e toca bateria na igreja em algumas ocasiões, já Tiago toca cavaquinho, ocasionalmente.

DISCOGRAFIA

 Carlinhos Piauí gravou 5 cds: Conterrâneos (199), Estradas e Terreiros (2002), Correndo (2005), Sertão de Cabo a Rabo (2009) e Sertão de Cabo a Rabo 2º ato (2011), que teve participação da filha Rebeca Braga, na música “ Menino e o mar”. Os dois últimos foram gravados com um grupo de forró e com o poeta Ruiter Lima, 65. Lima conta os álbuns surgiram de forma espontânea. Em 2003, se encontraram por acaso e fizeram uma apresentação de poesia e música de forma improvisada, mas que agradou ao público. Após esse show, foram convidados para tocar em outros locais. “Eu falei, Piauí é o seguinte a gente está naturalmente com uma apresentação pronta de poesia matuta e música de raiz. Começamos então a trabalhar”. O espetáculo passou por 63 escolas e por algumas cidades como Palmas-TO e Formoso – MG. Com o projeto pronto, decidiram fazer a gravação dos álbuns.

A parceria entre Ruiter Lima e Carlinhos Piauí deu certo. Os dois planejavam realizar um novo trabalho juntos, dessa vez seria a montagem teatral do espetáculo Sertão de Cabo a Rabo, que contaria com a participação de dois atores. Eles participaram do edital de seleção do Fundo de Apoio à Cultura e foram selecionados. “Eu não pude dar essa notícia para o Piauí, quando o resultado saiu ele já tinha falecido. Agora eu vou ter que realizar o espetáculo e eu estou pensando como vou fazer, porque substituir o Piauí não vai ser mole”, revelou Lima. Piauí trabalhava também na produção de um CD, ele chegou a gravar todas as faixas, mas sem a parte instrumental. O álbum é composto por canções de forró de outros artistas.

Amigos de Piauí colhem assinaturas para dar o nome de Piauí a uma área da Feira Permanente frequentada por artistas da cidade. A intenção é criar o “Espaço Cultural Carlinhos Piauí”.

POR TRÁS DOS PALCOS….

Piauí encantava o público enquanto interpretava e cativava as pessoas com o bom humor e simpatia. “Ele era muito amigo de todo mundo. Carlinhos tratava todo mundo muito bem”, relata Paulo Avelino e, conta entre risos, que guarda muitas recordações e histórias de Piauí, e ressalta que algumas podem ser reveladas outras não.

Para o gerente de cultura da Administração Regional do Gama Manoel Messias, amigo e colega de trabalho de Piauí, a principal característica do diretor Social no trabalho e no dia a dia era a calma e a capacidade de diálogo, além de ser alguém muito engraçado ressalta. “Ele era o elo apaziguador entre Manoel e os artistas. Manoel estourado e ele fazia a mediação. Ele fazia isso muito bem, pois era mais calmo que eu e com uma sensibilidade cultural muito maior também”.

Jairo Mendonça além de ter tido Piauí como referência também se tornou amigo do cantor e guarda de Carlinhos Piauí a alegria. “De tudo ele fazia uma piada. Às vezes ele era engraçado até quando não queria ser. Era uma figura muito leve, muito amigo, muito tranquilo e muito na dele”.

Mesmo enquanto esteve doente Piauí manteve o bom humor e o pensamento positivo. O filho Mateus Braga revela que o pai estava internado e sempre fazia uma piada para as visitas. “Esse é uma das características dele que eu me espelho. Apesar de tanta coisa, ele estava sempre animado, aonde chegava fazia o povo rir, até mesmo no hospital ele fazia gracinha”.

Mais do que um pai, Carlinhos Piauí foi um companheiro. É o que diz o filho mais velho Tiago Ramos. “Ele sempre foi o meu amigo, o meu confidente. A gente conversava muito e sobre tudo!”.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑