Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

sábado, 1 de novembro de 2014

MARINÊS


Depois de premiada com um sabonete numa retreta de rua, espécie de concurso de calouros ao ar livre, no bairro da Liberdade, onde morava, resolveu inscrever-se num programa de calouros na rádio local e, para fugir da vigilância dos pais, acrescentou o Maria ao seu nome. Ao ser anunciada no concurso, o locutor acabou por chamá-la de Marinês, e ela, gostando, adotou o nome artístico. Em 1949 formou com o marido Abdias o Casal da Alegria. Em seguida, o casal juntou-se ao zabumbeiro Cacau e formou um trio. Esse trio, no começo dos anos 50, passou a atuar como a Patrulha de Choque do Rei do Baião, especializada em realizar apresentacões nas praças das cidades onde Luiz Gonzaga iria tocar, interpretando músicas do seu repertório, anunciando sua chegada nas cidades do interior do Nordeste, num trabalho feito espontaneamente. Seu encontro com o Rei do Baião deu-se na cidade de Propriá, em Sergipe, apresentados pelo prefeito da cidade, Pedro Chaves. Na mesma noite do dia em que se conheceram, fizeram um show juntos. Com o apoio de Luiz Gonzaga, que lhe ensinou o xaxado, a carreira de Marinês ganhou impulso, sendo então batizada de "A Rainha do Xaxado".
Gravou seu primeiro disco em 1956, lançado no ano seguinte pela Sinter, apresentando-se como Marinês e sua Gente. Gravou na ocasião, a quadrilha  "Quadrilha é bom", de Zé Dantas e o xaxado "Quero ver xaxar",  de João do Vale, Antonio Correia e Leopoldo Silveira Junior. Em 1957, gravou dois grandes sucessos, os xotes "Peba na pimenta", de João do Vale, José Batista e Adelino Rivera e "Pisa na fulô", de João do Vale, Ernesto Pires e Silveira Jr., que foram posteriormente regravados por inúmeros artistas. No mesmo ano, lançou o xaxado "Xaxado da Paraíba", de Reinaldo Costa e Juvenal Lopes e o xote "O arraiá do Tibiri", de João do Vale e Silveira Jr. Ainda nessa época, a convite de Luiz Gonzaga, foram para o Rio de Janeiro, onde se apresentaram no programa "Caleidoscópio", na Rádio Tupi. Ainda nesse ano, participou do filme "Rico ri à toa", dirigido por Roberto Faria, interpretando a música "Peba na pimenta", de João do Vale, José Batista e Adelino Rivera, acompanhada por Abdias dos oito baixos na sanfona. Na cena, além de cantar, também dançou xaxado, ritmo do qual ficou conhecida como rainha. O filme foi estrelado por Zé Trindade e teve participações de atores como Silvinha Chiozo, Violeta Ferraz, Oswaldo Louzada e Zezé Macedo. Em 1958, gravou,  de Rosil Cavalcânti, os baiões "Aquarela nordestina" e "Saudade de Campina Grande". Gravou ainda, de Gordurinha e Wilson de Morais, o baião "Perigo de morte". No mesmo ano participou do filme "Rico ri à toa", de Roberto Faria. Em 1959, gravou de Antônio Barros e Silveira Jr. o baião "Velho ditado" e o xote "Marieta". Em 1960, gravou da mesma dupla o baião "Mais um pau-de-arara" e o xote "Balanço da saudade". No mesmo ano, transferiu-se para a RCA Victor, onde lançou, de Reinaldo Costa e Juvenal Lopes, o xote "Viúva nova" e, de Onildo Almeida, o xaxado "História de Lampeão".  Gravou ainda, de Zé Dantas e Joaquim Lima, a polca "Chegou São João". No mesmo ano recebeu o troféu Euterpe,  no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, como a melhor cantora regional. Em 1961, gravou os cocos "Gírias do Norte", de Jacinto Silva e Onildo Almeida e "Cadê o Peba", de Zé Dantas. No mesmo ano, gravou a moda de roda "Marinheiro", de motivo popular com arranjos de Onildo Almeida e o coco de roda "No terreiro da Usina", de Zé Dantas. Gravou ainda o LP "Outra vez Marinês", que lhe rendeu um segundo troféu Euterpe, além de ter obtido o prêmio de melhor vendagem. Em 1962, gravou, de Onildo Almeida, as modas de roda "Siriri, sirirá" e "Meu beija-flor". No mesmo ano, gravou de João do Vale e José Batista o xote "Xote de Pirira" e de João do Vale e Oscar Moss o coco "Gavião". Em 1963, gravou as modas de roda  "Balanceio da usina", de Abdias Filho e João do Vale, e  "Pisei no liro", de Juvenal Lopes. No mesmo ano, gravou, de João do Vale e B. de Aquino, o xote "Xote melubico" e o baião "Macaco véio". Em 1984 apresentou-se em diversos shows em teatros da periferia do Rio de Janeiro dentro do projeto Pixinguinha, além de fazer participações especiais em discos do conjunto The Fevers e de Zé Ramalho. Em 1986, lançou o LP "Marinês e sua Gente - Tô chegando", com a participação especial de Gilberto Gil, Luiz Gonzaga, Dominguinhos e Jorge de Altinho. Com Luiz Gonzaga, interpretou "Tá virando emprego", de Luiz Gonzaga e João Silva;  com Dominguinhos, "Agarradinho", de Michael Sullivan e Paulo Massadas; com Gilberto Gil, "Doida por uma folia", do próprio Gil e "Quatro cravos", de Jarbas Mariz e Cátia de França, e com Jorge de Altinho, "Jeito manhoso", de Nando Cordel. Em 1987, gravou pela RCA Victor o LP "Balaio de paixão", interpretando, entre outras, as composições "Tô doida pra provar do teu amor", de Nando Cordel, "Fulô da goiabeira", de Anastácia e Liane, "Novinho no leite", de Nando Cordel e "Feitiço", de Jorge de Altinho. Em 1988 estreou na Continental com o disco "Feito com amor", onde regravou sucessos dedicados à festas juninas. Recebeu discos de ouro com "A dama do Nordeste" e "Bate coração". Gravou diversas músicas consideradas apimentadas e que mexeram com a moral da época, como "Peba na pimenta" e "Pisa na fulô", de João do Vale, "Cadarço de sapato", "Xote da Pipira" e "Viúva nova", entre outras. Devido a essas gravações, chegou a ter problemas com os meios católicos do país, tendo ocorrido casos de padres que durante as missas pediam aos fiéis para não comprarem seus discos, como foi o caso de "Peba na pimenta". Com a separação do marido e produtor Abdias, ficou alguns anos sem gravar; ainda sim, lançou cerca de 30 discos, entre 78 rpm, LPs e CDs. Dentre os seus LPs, estão "Nordeste valente", "Balaiando" e "Cantando pra valer". Em 1995, lançou o CD "Marinês cidadã do mundo". Ainda nos anos 1990, participou do disco de forró lançado por Raimundo Fagner. Em 1998, com produção da cantora Elba Ramalho, lançou pela BMG o CD "Marinês e sua Gente", contando com a participação de importantes nomes da Música Popular Brasileira contemporânea, quase todos do Nordeste. Uma das faixas de destaque é o dueto com Alceu Valença em "Pelas ruas que andei", do cantor e compositor pernambucano. O disco foi uma homenagem de Elba e outros artistas àquela que considerada mestra. No mesmo ano, a Copacabana/EMI lançou uma coletânea de seus sucessos remasterizados na série "Raízes Nordestinas". Foi a primeira mulher a formar um grupo de forró. Em 2000 teve CD lançado pela BMG dentro da série "Eu só quero um forró", no qual contou com as participações especiais de Gilberto Gil na música "Quatro cravos" e Alceu Valença em "Pelas ruas que andei". Em 2003 lançou o CD "Cantando com o coração", produzido por seu filho  Marcos Farias, que  divide com a cantora a direção, além de  também fazer os arranjos de acordeons, baixo, zabumba, paneiro e triângulo. O disco  conta também  com a participação da nora de Marinês, Sheilami, na seleção do repertório e no backvocal,  e do outro filho da  "rainha do xaxado", Celso Othon, fazendo jus ao  nome com que gosta de ser refrenciada: "Marinês e sua gente". Vale  citar, do repertório, entre outras, "Eu vi sim" de Dominguinhos e Anastácia, " Forró Verdadeiro" , "Tareco e Mariola", de Petrúcio Amorim e "Te dou um doce" de Nano Cordel.  Em 2004, fez apresentações no Rio de Janeiro com o grupo Marinês e sua Gente destacando-se a apresentação no Centro de Tradições Nordestinas de São Cristóvão, onde teve acompanhamento de "sua gente" e também do caqntor e rabequeiro Beto Brito. Em 2005, lançou o disco-homenagem "Marinês canta a Paraíba", produzido por Noaldo Ribeiro, com patrocínio do governo do Estado, onde a cantora iniciou a carreira artística. O CD que tem a  participação da Orquestra Sinfônica da Paraíba em cinco músicas: "Saudade de Campina Grande"; "Aquarela nordestina"; "Meu Cariri"; Sublime torrão" e "Campina, minha campina", vem acompanhado de um livreto de 52 páginas e de um CD com imagens e depoimentos de Paulinho da Viola, Tetê Espíndola e do então ministro-cantor Gilberto Gil. Deixando mais de 40 discos gravados e tendo sido precursora  dos grandes movimentos do forró, inclusive na formação da formação de grupos do gênero, sofreu um acidente vascular cerebral no dia 5 de maio de 2007, vindo a falecer dez dias depois. Seu corpo foi sepultado em Campina Grande, onde a cantora iniciou a carreira. Sua morte causou consternação no universo do forró, tendo o Ministro da Cultura Gilberto Gil divulgado nota lamentando o fato: "O Brasil perdeu hoje sua rainha do forró, a primeira grande cantora nordestina que aparece nos anos 50, inaugurando um ciclo de ouro da voz feminina na música do nordeste".



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑