Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

CAMPANHA "VAMOS TIRAR O COMPOSITOR DA GAVETA"

Ajude a preservar a memória do compositor brasileiro. Adote um álbum, e, se tiver acesso aos créditos das canções, informe, nos comentários, o título de cada canção na ordem em que aparece, seguido do nome dos compositores.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

sábado, 25 de agosto de 2012

ALCEU VALENÇA


Alceu Paiva Valença (São Bento do Una, 1 de julho de 1946) é um cantor e compositor brasileiro. Seu disco de estreia foi gravado em parceria com Geraldo Azevedo.

Nasceu no interior de Pernambuco, nos limites do sertão com o agreste. Influenciado pelos maracatus, cocos e repentes de viola, Alceu conseguiu utilizar a guitarra com baixo elétrico e, mais tarde, com o sintetizador eletrônico nas suas canções.

O envolvimento de Alceu com a música começa na infância, através dos cantadores de feira da sua cidade natal. Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga e Marinês, três dos principais irradiadores da cultura musical nordestina, foram captados por ele. Em casa, a formação ficou por conta do avô, Paulo Alves Valença, que era poeta e violeiro. Aos 10 anos vai para Recife, onde mantém contato com a cultura urbana, e ouve a música de Orlando Silva e Dalva de Oliveira, alternando com o ritmo de Little Richard, Ray Charles e outros ícones da chamada primeira geração do rock'n'roll.
Recém-formado em Direito no Recife, em 1969, desiste das carreiras de advogado e jornalista - trabalhou como correspondente do Jornal do Brasil - e resolve na música.

Em 1971, vai para o Rio de Janeiro com o amigo e incentivador Geraldo Azevedo. Começa a participar de festivais universitários, como o da TV Tupi com a faixa Planetário. Nada acontece. Nenhuma classificação, pois a orquestra do evento não conseguiu tocar o arranjo da canção.

Em 1980, lança o LP Coração Bobo (Ariola), cuja música de mesmo nome estoura nas rádios de todo o país[carece de fontes], revelando o nome de Alceu Valença para o grande público. Apresenta-se em vários estados brasileiros.

Em 1996, ao lado de Geraldo Azevedo, Zé Ramalho e Elba Ramalho participa da série de shows O Grande Encontro, que percorreu diversas cidades brasileiras e registrada pela gravadora BMG no CD de mesmo nome.

Em julho de 2000, participa da noite "Pernambuco em canto: carnaval de Olinda", no Festival de Montreux (Suíça), ao lado de Elba Ramalho, Geraldo Azevedo, Naná Vasconcelos e Moraes Moreira.

Em maio de 2003, grava novo projeto ao vivo no Rio de Janeiro (Indie Records), reunindo vários sucessos em CD e, pela primeira vez, em DVD. Em julho, é agraciado com o Prêmio Tim de Música Brasileira na categoria "Melhor cantor regional", pelo CD De Janeiro a Janeiro, em cerimônia realizada no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Ainda nesse mês chega às lojas o CD Ao vivo em todos os sentidos. Em agosto o DVD do mesmo projeto é lançado.

Em 2009, vem trabalhando no seu filme Cordel Virtual (a Luneta do Tempo) que é um musical que não segue a linha de nenhum musical tradicional. No fundo, é um mergulho que faz em sua infância, no seu passado e este passado tem a trilha sonora das ruas do Nordeste, dos cantadores anônimos, conquistas, violeiros, emboladores, cegos arautos de feira, da música de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro, do samba-canção dos anos 50, da música contemporânea brasileira.

DISCOGRAFIA

1972 - Alceu Valença & Geraldo Azevedo (aliás Quadrafônico) - (Copacabana) - Vinil / CD
1974 - A Noite do Espantalho (Continental)
1974 - Molhado de Suor (Som Livre) - Vinil / CD
1976 - Vivo! (Som Livre) - Vinil
1977 - Espelho Cristalino (Som Livre) - Vinil / CD
1979 - Saudade de Pernambuco (Society France de Produción)
1980 - Coração Bobo (Ariola) - Vinil / CD
1981 - Cinco Sentidos (Ariola) - Vinil
1982 - Ao Vivo (Festival de Montreux-Suiça)
1982 - Cavalo de Pau (Ariola) - Vinil / CD
1983 - Anjo Avesso (Ariola) - Vinil
1983 - Brazil Night / Ao Vivo Montreux [com Milton Nascimento e Wagner Tiso]
1984 - Mágico (Barclay/Polygram) - Vinil
1985 - Estação da Luz (RCA Victor) - Vinil / CD
1986 - Ao Vivo (Barclay/Polygram) - Vinil / CD
1986 - Rubi (RCA Victor) - Vinil / CD
1987 - Leque Moleque (BMG Ariola) - Vinil / CD
1988 - Oropa, França e Bahia - ao vivo no Scala 1, RJ (BMG Ariola) - Vinil / CD
1990 - Andar Andar (EMI/Odeon) - Vinil / CD
1992 - 7 Desejos (EMI/Odeon) - Vinil / CD
1994 - Maracatus, Batuques e Ladeiras (BMG Ariola) - Vinil / CD
1996 - O Grande Encontro - ao vivo em conjunto com Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Zé Ramalho (BMG Ariola) - CD
1997 - O Grande Encontro 2 - ao vivo em conjunto com Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Zé Ramalho
1997 - Sol e Chuva (Som Livre) - CD
1998 - Forró de Todos os Tempos (Sony Music) - CD
1999 - Todos os Cantos - ao vivo em Olinda, Recife e no Montreux Jazz Festival - (Abril Music)
2000 - O Grande Encontro 3 - ao vivo em conjunto com Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Zé Ramalho
2001 - Forró Lunar (Columbia) - CD
2002 - De Janeiro a Janeiro (Tropicana Produções) - CD
2003 - Em Todos os Sentidos (Indie Records) - CD / DVD
2005 - Na Embolada do Tempo (Indie Records) - CD
2006 - Marco Zero - Ao Vivo (Indie Records) - CD / DVD
2009 - Ciranda Mourisca (Biscoito Fino) - CD

Um comentário:

  1. MUIIITO BOM. MERECE TODO O RESPEITO PELO EXCELENTE TRABALHO REALIZADO NO BLOG.

    ResponderExcluir

Topo da Página ↑