Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

Conheça o letrista PAULO CÉSAR PINHEIRO por meio de suas canções. Clique no play.

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

sábado, 25 de maio de 2019

CLODO FERREIRA


Nascido em Teresina em 1951, Clodo Ferreira pertence a uma família que manteve a tradição de iniciar os nomes com a mesma letra: Climério, Clésio, Cleonice, Cristina, Clélia e Cleane - somente a irmã adotiva Heloisa fugiu à regra. A partir de 1962, a família mudou-se para Brasília, começando pelos irmãos mais velhos, vindo todos para a nova capital em meados da década, quando o artista ainda era um adolescente. Logo no princípio, ainda morando na cidade-satélite de Taguatinga, no Distrito Federal, participou de programas de auditório na televisão numa dupla que interpretava repertório da Jovem Guarda. Por breve tempo, foi guitarrista-base do conjunto Quadradões (embrião do futuro grupo Placa Luminosa), que em seu LP de estreia, em 1968 registrou suas primeiras composições: Que um dia e Ao entardecer, esta última parceria com Clésio. Em seguida, passou a se apresentar nas festas familiares e de amigos com a irmã Cristina.

A próxima mudança levou o compositor a morar na Asa Norte do Plano Piloto de Brasília, onde conheceu, em 1968, o compositor Zeca Bahia, seu parceiro mais frequente nos dez anos que se seguiram. Três anos depois sua composição “Suzana” (c/ Romildo e Olímpio) foi gravada pelo grupo Matuskela. O mesmo grupo defendeu suas músicas Placa luminosa (c/ Zeca Bahia) e Sino, sinal aberto, classificadas em primeiro e segundo lugares no II Festival de Música do CEUB. Começa aí o reconhecimento de sua história como compositor.

Após se graduar em Comunicação, mudou-se para São Paulo em 1976, onde conviveu com Rodger e Teti, integrantes do grupo Pessoal do Ceará. Dessa convivência com Rodger, resultaram inúmeras parcerias, como “Ponta do lápis”, lançada por Fagner e Ney Matogrosso. Paralelamente, tornou-se parceiro de Fagner com a canção Corda de aço, incluída no LP Raimundo Fagner. Ainda neste ano, participou do programa Mambembe, a vez dos novos (TV Bandeirantes), ao lado dos dois irmãos, surgindo o trio Clodo, Climério, Clésio, que permaneceu por duas décadas.

Batizado com o título de São Piauí, o primeiro LP do trio (1977), produzido por Ednardo, trazia a música Cebola cortada(c/Petrúcio Maia), lançada simultaneamente por Fagner no LP “Orós” e depois regravada pela MPB-4 e Milton Nascimento. Também naquele ano, a canção Velho demais (c/ Zeca Bahia) foi incluída na trilha sonora da novela “Sem lenço, sem documento”, na interpretação do grupo Placa Luminosa.

Sue maior sucesso Revelação (c/ Clésio) está no LP “Eu canto – Quem viver chorará” (1978), de Fagner. A canção, conhecida nacionalmente, foi incluída na trilha sonora da novela “Cara a Cara” (TV Bandeirantes/1979) e teve regravações de Simone, Wando, Razão Brasileira e Engenheiros do Hawaii.

O segundo LP de Clodo, Climério e Clésio - Chapada do Corisco – é de 1978, ano em teve mais oito novas músicas gravadas por diversos artistas. Dois anos depois, o grupo realizou o LP Ferreira, onde aparece a canção Por um triz, de autoria do trio, também registrada por Nara Leão, que dedicou aos três a única composição de sua autoria, em parceria com Fagner e Fausto Nilo - Cli, Clê, Clô. Na época, a composição Meio dia (c/ Fagner) recebeu uma gravação de Zizi Possi.

A década de 1980 multiplicou a quantidade de novas canções gravadas por intérpretes nacionais: Dominguinhos, Guadalupe, Amelinha, Ângela Maria, e Cláudia. Com os irmãos, criou a trilha sonora do filme A difícil viagem.

Iniciando a fase independe, o trio produziu o LP Profissão do sonho. Em 1991, Clodo viu a música “Querubim” (c/ Dominguinhos) incluída na compilação “Forró etc. – Music of the Brazilian Nordest” - produzida por David Byrne. Em seguida, vieram os LP independentes Clodo, Climério, Clésio e Afinidade, o último do trio, de 1993.

Sua carreira individual, entretanto, só começou em 1998 com o CD Corda de aço, uma mostra de seus maiores sucessos e trazendo a até então inédita Mentira da saudade. Nos dois anos seguintes, participou das edições anuais do projeto Temporadas Populares, com Tom Zé e depois com Zé Ramalho da Paraíba. Logo depois, saiu o único CD do trio - Tiro certeiro – reunindo gravações da fase independente.

O segundo CD - Gravura – foi lançado em 2002, todo de músicas inéditas. Paralelamente, Revelação fez parte do longe metragem Eu não conhecia Tururu, da atriz e diretora Florinda Bolkan.

Ainda em 2002, passou a se dedicar ao estudo da obra do sambista carioca Sinhô, cujo repertório apresentou no Clube do Choro, resultando no terceiro CD solo Clodo Ferreira interpreta Sinhô, de 2005, com 13 composições do compositor carioca, num trabalho de natureza histórica. Além das atividades acadêmicas ligadas à música popular, Clodo publicou artigos, livros e realizou pesquisas, sendo doutor em História Cultural. Atualmente, é aposentado pela Universidade de Brasília, onde lecionou por 25 anos.

No final do ano 2015, lançou o mais recente CD – Clodo Ferreira - mantendo o estilo familiar, seus filhos Pedro Ferreira e João Ferreira têm participado de seus discos e shows.



Um comentário:

Topo da Página ↑