Seja bem-vindo ao BRASIL DE DENTRO. Vamos tirar o Brasil da gaveta!

LEIA!

O BRASIL DE DENTRO é um blog que não visa lucro. Seu objetivo é apenas um: desvendar o Brasil para os brasileiros. Quer ajudar a concretização desse objetivo? Faça o seguinte: divulgue o BRASIL DE DENTRO entre seus amigos. Um grande abraço!

RECOMENDAÇÃO

Ouça DI MELO, músico pernambucano. Clique no play no alto da página.

COMO BAIXAR OS ARQUIVOS DESEJADOS

Tenha certeza de que você está na página dedicada ao artista procurado, e não apenas vendo uma determinada postagem, como uma nota de atualização ou uma nota biográfica. Procure selecionar o artista clicando sobre seu nome na lista apresentada no final da página.

A página do artista apresenta a seguinte ordem: biografia, vídeos disponibilizados no Youtube e as capas dos álbuns com os respectivos links. Para baixar os álbuns, basta clicar na imagem do canário abaixo da frase "TIRE ESTE ÁLBUM DA GAVETA".

domingo, 10 de fevereiro de 2019

ADIEL LUNA


A relação de Adiel Luna com a música vem de berço. Sua bisavó era cantadeira de casa de farinha e conheceu seu bisavô animando uma farinhada. Seu avô era um entusiasta da cantoria de viola e seu pai – assim como alguns tios e primos – é poeta e repentista. Cresceu assistindo as madrugadas de cantoria no sítio da família e desfrutou deslumbrado desse ambiente onde a brincadeira, a festa, acontece de forma genuína.

À medida que foi se apaixonando pela poesia tradicional e se debruçando sobre ela, foi descobrindo outros tipos de manifestações que não faziam parte do terraço de casa, mas que acabaram sendo levadas por cantadores com quem esbarrou por ali. É assim: tem cantador que é também maracatuzeiro. Tem cantador que é também coquista. Outro que mexe com as toadas de gado. E assim foi se ampliando o universo.

Abraçando a poesia e a música como paixão e profissão, esteve atento e disposto a assimilar, aperfeiçoar e aprender modalidades novas da poética tradicional cantada e de suas variações regionais.

Hoje, é coquista, mestre de baque solto, violeiro, cantador repentista e cordelista. Sua bagagem como brincante e seu diálogo constante e respeitoso com os mestres, as práticas, os terreiros tradicionais e as oralidades destas manifestações marca seu diferencial, permitindo-o passear com uma agilidade ímpar no improviso.

A este acumulo, acrescenta uma renovação, típica de quem saiu do campo para a cidade e que não pode – nem quer – desconsiderar as influências urbanas. O contato entre esses dois domínios resulta num trabalho extremamente original e sofisticado.

Seu repertório autoral passeia por contextos nordestinos e elementos singulares de sua identidade – paisagens, religiosidade, cotidiano, histórias, sonoridades –, numa dinâmica rara, refinada e bastante rica.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo da Página ↑